Cresce procura por intercâmbio com trabalho remunerado

egali-intercambio-blog-canada-banner-01

               O intercâmbio é uma alternativa para muitos brasileiros que se sentem sem promessas para um futuro profissional estável no Brasil. Entre as principais motivações para o estudo no exterior estão a busca de um currículo com diferencial e oportunidades longe da crise. E opções de trabalho remunerado durante e depois dos cursos países têm viabilizado cada vez mais esse projeto em alguns países.

                O Canadá está entre os preferidos dos brasileiros pela  boa qualidade de vida e ensino de excelência. “No Canadá temos pacote de intercâmbio que dura cerca de seis meses – metade de curso e outra metade de estágio não remunerado, além de duas semanas finais. Mas o diferencial é que o aluno pode  trabalhar com remuneração de até 20 horas semanais enquanto estiver participando do programa”, explica João Mofati, diretor da Brazilian Exchange (BEX), empresa de intercâmbio em Niterói (RJ). “Isso permite o aprofundamento prático não só da cultura como do conhecimento adquirido durante os estudos”, acrescenta.

                Austrália é outro país na lista dos favoritos para intercâmbio que permite trabalho remunerado. Para se candidatar a uma vaga de emprego de até 20 horas semanais, a aluno deve estar regularmente matriculado em um curso de inglês. “O programa de estudo e trabalho da BEX na Austrália foi elaborado para ajudar estudantes e profissionais a melhorarem suas habilidades no inglês e também conseguirem renda para se manterem durante a viagem”.

A opção da BEX para curso na Irlanda também segue na direção de quem quer opções para trabalhar. O aluno estuda cerca de seis meses na escola Delfin, em Dublin, e, com o visto de estudante, pode trabalhar até 20 horas por semana fora do horário do curso. Depois, o aluno ainda tem oito semanas de férias com possibilidade de trabalho.

Já para aqueles que preferem a experiência única de viver na Nova Zelândia, o país também oferece oportunidades. “Além dos estudos, as paisagens cinematográficas, clima ameno e opções de esportes radicais têm atraído o público jovem brasileiro” completa Mofati. No curso da BEX, o aluno passa três semanas estudando e tem as mesmas facilidades de trabalho e permanência que na Irlanda.